Conheça as Meias JOBST, a Meia antiembólica para prevenção da Trombose Venosa Profunda (TVP)

Distúrbios Venosos

Trombose Venosa Profunda (TVP)

A trombose venosa profunda (TVP) caracteriza-se pela formação de trombos dentro de veias profundas, decorrente de três fatores causais, a estase venosa pelo repouso, o excesso de coagulação sanguínea e uma possível lesão dentro do vaso sanguíneo, podendo acontecer apenas um destes fatores.

Este trombo pode causar bloqueio parcial ou completo do fluxo sanguíneo (1). Uma complicação grave e potencialmente fatal da TVP é que este trombo pode se desprender da parede da veia, circular pela corrente sanguínea e se alojar nos pulmões, causando a Embolia Pulmonar.

Os sintomas da TVP incluem:
• Edema repentino na perna;
• Sensibilidade ou dor na perna;
• Calor local;
• Hiperemia local.

Fatores de Risco para a TVP

Pacientes hospitalizados têm maior risco de TVP ou TEV, quando comparados aos pacientes da comunidade. É muito importante considerar a
profilaxia da TVP em todos os pacientes hospitalizados. A história completa e o exame físico são necessários para avaliar o risco de TEV e sangramento.

São pacientes com risco aumentado de trombose (4):
• Idoso (acima de 60 anos);
• pacientes imóveis/acamados;
• Pacientes com história da TVP / EP prévia;
• Pacientes críticos internados em unidade de
terapia intensiva (UTI);
• Paciente com história de Acidente vascular cerebral
(AVC) com paralisia dos membros inferiores;
• Paciente com história de Insuficiência cardíaca
congestiva avançada (ICC);
• Paciente com Câncer;
• Paciente com Insuficiência respiratória aguda;
• Paciente com Trombofilia;
• Paciente com Cirurgia ou trauma recente;
• Obesidade;
• Terapia hormonal em andamento.


Repouso e Estase Venosa

A estase venosa é o fator mais importante em pacientes acamados, devido estar com a atividade muscular diminuída, resultando no retorno venoso reduzido. A estase venosa mais a presença de lesão endotelial e/ou a hipercoagulabilidade aumentada, como no caso dos pacientes com Covid-19, aumentam o risco de TVP.


Trombose Venosa Profunda Incidência e Epidemologia

O tromboembolismo venoso é um sério problema de saúde afetando em torno de 1 paciente em 1000 adultos internados em todo o mundo anualmente (2). Estudos epidemiológicos mostram que sem o uso de medidas profiláticas hospitalares, 55-60% de todos os tromboembolismos têm relação à internação prolongada e/ou procedimentos cirúrgicos, podendo ocorrer ainda no hospital ou em 90 dias após a alta. (2) A TVP ocorre principalmente nas extremidades inferiores e, em menor grau, nas extremidades superiores.

A embolia pulmonar (EP) é uma obstrução da artéria pulmonar ou de seus ramos por um trombo (às vezes devido a gordura ou ar). A fonte mais provável de trombo nas artérias pulmonares é uma embolização das veias profundas das pernas. Isso ocorre em um terço dos pacientes com TVP. A prevenção da TVP diminui, assim, a incidência de Embolia Pulmonar, uma condição grave e com risco de vida. (3)

Prevenindo a Trombose Venosa Profunda (TVP) em pacientes hospitalizados

Com base no risco de trombose, os pacientes são classificados em baixo risco, risco moderado e alto risco de TVP. (4)

  1. Pacientes de baixo risco: Pacientes jovens sem fatores de risco para TVP. Não há necessidade de profilaxia medicamentosa, sendo indicado o uso da meia antiembólica em caso de longo período de permanência no leito sem deambulação.
  2. Pacientes de risco moderado: com pelo menos 1 fator de risco, a profilaxia farmacológica é preferida com ou sem o uso de meia antiembólica, esta (a meia) é indicada quando o paciente permanecer acamado por longos períodos, como nos casos de Covid-19.
  3. Pacientes de alto risco: com múltiplos fatores de risco, a profilaxia preferida é a farmacológica e a mecânica, o uso da meia anti-embólica.

Diante da infeção causada pelo CORONAVÍRUS os pacientes acometidos podem chegar a um quadro grave que exige internação em UTI por longo período em ventilação mecânica por síndrome respiratória, sendo na grande maioria idosos acima de 60 anos, com comorbidades associadas, tornando-os com alto risco a desenvolver a TVP, portanto, são pacientes que necessitam de cuidados profiláticos como o uso contínuo da meia antiembólica Comprinet® pro. Estudos evidenciam que a meia compressiva
anti-embólica é um método eficaz para a prevenção de TVP e reduz a sua incidência em pacientes com alto risco em até 60%. (5)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× WhatsApp